'Se intimado, Teixeira comparecerá à Corte em NY', garante advogado
05/12/2017 - 8h36 em Policial

A cada testemunha que se coloca frente à juíza Pamela Chen, que preside o Julgamento da Fifa em Nova York, o nome de Ricardo Teixeira surge entre os dirigentes citados no escândalo de corrupção.

 O ex-presidente da CBF é um dos 42 réus do caso, mas não é processado, tampouco julgado nos Estados Unidos porque está no Brasil, que não extradita seus cidadãos.

 Entretanto, de acordo com o seu advogado, Michel Asseff Filho, Teixeira poderá comparecer à Corte para se defender desde que seja intimado formalmente, mas não cogita um acordo de delação.

 "A gente precisa ter acesso a estas acusações, de quais delatores e quais os fatos abordados por eles. O que eles disseram, se mostraram provas para comprovar essas acusações", questionou Asseff Filho em contato com o R7. "Tudo o que o Ricardo Teixeira gostaria é de se defender. Acontece que ele precisa ser formalmente intimado pela Justiça norte-americana para que faça isso e, até hoje, não aconteceu".

 Vale lembrar que decisão de uma juíza federal do Rio de Janeiro, em 2015, proíbe o MPF (Ministério Público Federal) de trocar informações sobre o ex-cartola com a Justiça norte-americana — o MPF entrou com um recurso e ainda aguarda uma decisão do Supremo Tribunal Federal sobre o caso.

 Entre outras coisas, Ricardo Teixeira é suspeito de ter dividido com o empresário J. Hawilla, da Traffic, uma propina de US$ 30 milhões (R$ 96 milhões) por terem fechado um acordo recordista em cifras com a Nike em 1996.

 Além disso, o brasileiro foi acusado na semana passada por Luis Bedoya, delator e ex-presidente da Confederação Colombiana de Futebol, de ser "um dos três dirigentes mais corruptos do futebol sul-americano" ao lado do argentino Julio Grondona, morto, e do paraguaio Nicolás Leoz, em prisão domiciliar.

 Teixeira é acusado dos mesmos sete crimes que José Maria Marin e Marco Polo Del Nero, seus sucessores na presidência da CBF — três por fraude, três por lavagem de dinheiro e um por integrar uma organização criminosa. Todos negam as acusações e afirmam ser inocentes.

Enquanto o julgamento do Fifagate segue no Tribunal de Nova York, nos EUA, o réu e ex-presidente da CBF José Maria Marin continua em prisão domiciliar em sua residência na Trump Tower, edifício localizado na 5ª Avenida, região com o m² mais caro do planeta – avaliado em mais de R$ 100 mil. O ambiente luxuoso e de ostentação não difere dos locais em que dirigentes do futebol mundial teriam negociado acordos e propinas.

Fonte:r7.com

 

COMENTÁRIOS
PUBLICIDADE