Responsável por vazar conversas do WhatsApp pagará R$ 40 mil
15/08/2018 20:36 em Tecnologia

Um grupo do WhatsApp formado por ex-diretores do time de futebol Coritiba estão no centro de uma ação na justiça do Paraná. Bruno Tramujas Kafka foi sentenciado a pagar uma indenização no valor total de R$ 40 mil reais por ter compartilhado prints de mensagens trocadas pelo aplicativo.

 

De acordo com o processo, os membros do grupo "Indomável F.C" eram diretores do clube, entre eles os vices André Macias e Pierre Boulos, e utilizavam o WhatsApp para tratar de assuntos administrativos e para comentar jogos do time. Kafka havia sido incluído durante o período em que presto serviços ao time.

 

Em 2015, Kafka deixou o Coritiba e também o grupo no WhatsApp, mas levou prints das conversas que teve pelo aplicativo de mensagens. Essas imagens teriam sido enviadas para outras pessoas e outros grupos no aplicativo e também nas redes sociais. 

 

Em depoimento, um dos integrantes do grupo afirma que as conversas eram "manifestações de insatisfação com a situação do clube, bem como em relação a determinados dirigentes, grande parte delas em tom de brincadeira, fruto da amizade entre os integrantes e do sentimento comum de amor em relação ao clube".

 

A defesa alegou que Kafka "agiu unicamente no exercício de sua liberdade de expressão, com o intuito de informar a coletividade de torcedores sobre a forma de gestão empregada no clube de futebol em comento".

 

Na sentença, o Juiz James de Oliveira Macedo escreveu que "o abuso do direito de informar se deu pela forma como foram divulgadas as notícias, atingindo a imagem pessoal e profissional dos autores".

 

Assim, cada um dos oito membros do grupo envolvidos na ação deverá receber R$5.000 por danos morais e também devem receber o valor dos custos processuais no valor de R$2.500,00. A defesa afirma que vai recorrer.

 

Por email, Bruno Kafka disse ao R7:

 

"O conteúdo do grupo não está sendo tratado da forma que deveria. Em nenhum momento foi disponibilizado assuntos de cunho pessoal. Tudo o que foi divulgado era ligado ao Coritiba e a gestão do Clube na época, está bem claro isso quando atenta-se às mensagens. Então, tenho convicção que o Tribunal irá avaliar bem a questão e reverter isso."

 

O R7 tentou entrar em contato com o jurídico do Coritiba, mas o resposánvel está ausente ao longo desta semana.

Fonte: r7.com.br

COMENTÁRIOS