Estudo relaciona desnutrição de mães com agravamento dos efeitos do vírus da zika na malformação de fetos
13/01/2020 11:25 em Saúde

Foto: Felipe Dana/AP

A desnutrição de mulheres grávidas estaria diretamente relacionada ao aumento dos casos de microcefalia pelo vírus da zika. Um estudo publicado na sexta-feira (10) pela revista "Sciences Advances" mostrou que uma alimentação pobre em proteínas aumenta os riscos de infecção nas mães o que pode provocar a malformação dos fetos.

 

Cientistas brasileiros e ingleses defenderam que os casos de síndrome congênita associada à infecção pelo vírus da zika (CZS, da sigla em inglês) estão ligados a fatores ambientais e de estilo de vida. O estudo foi feito em conjunto por pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade de Oxford, na Inglaterra.

 

A CZS, engloba uma série de malformações associadas com a zika que podem se manifestar durante a gestação. Entre elas estão as alterações cerebrais (microcefalia e lisencefalia), problemas na retina e aumento dos ventrículos cardíacos.

 

A zika é transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti, o mesmo responsável pela dengue.

O Brasil foi apontado pelos pesquisadores como um dos países mais afetados pelo zika. A maior parte dos casos – cerca de 75% – esteve concentrada na região Nordeste.

 

"A infecção congênita pelo zika pode ser piorada por fatores ambientais, principalmente uma dieta pobre em proteínas", disse em nota o professor da Universidade de Oxford Zoltán Molnár, um dos autores do estudo.

 

Os cientistas explicaram que a dieta das comunidades mais pobres do país, baseada no alto consumo de carboidratos e baixo consumo de proteínas teve um papel definitivo no agravamento dos efeitos da síndrome.

 

Por G1 Globo

COMENTÁRIOS