Coronavac é vacina contra Covid-19 'mais segura que tem', avalia imunologista
13/01/2021 08:33 em Saúde

Foto: Divulgação

Mesmo com os dados que apontam um índice de 50,38% para a CoronaVac (leia mais aqui), o imunizante contra a Covid-19 é o “mais seguro que tem”, na avaliação do imunologista Gustavo Cabral, coordenador de pesquisas na Universidade de São Paulo (USP) sobre vacinas, inclusive a do novo coronavírus. 

 

“Esta é a vacina mais segura que tem, por ser a estratégia mais conhecida propriamente dita”, analisa, em entrevista ao Bahia Notícias. “Esta estratégia com vírus atenuado já é utilizada com outras vacinas, como a da gripe, hepatite A, raiva... já é utilizada há décadas. A gente já consegue prever efeitos colaterais a longo prazo. As outras, não, porque só conseguimos prever efeitos a curto e médio prazo, de acordo com o que vai surgindo. Essa vacina é algo que favorece. Agora, a eficácia, nós sabíamos que não teria essa eficiência tão alta”, acrescenta.

 

Na visão de Cabral, a estratégia utilizada pelo governo de São Paulo não foi a mais adequada. Para ele, os dados apresentados na última semana, que apresentaram eficácia de 78% nos estudos realizados no país, foram incompletos e denotaram cunho político (leia mais aqui). “O problema é a maneira como foi passado, porque aí dá pano pra manga para gerar mais discussão e possibilidade de gerar mais rejeição às vacinas. Mas essa vacina vai ser muito útil para controlar a pandemia”, opina.

 

“O que foi apresentado semana passada foi mais uma apresentação política que de dados científicos propriamente ditos. Hoje, não. Já mostraram grupo por grupo, falaram sobre reação adversas, que não houve... Era para ter mostrado esses dados todos inicialmente, mas foi feito aquele show político”, emenda.

 

Segundo ele, outras vacinas que apresentaram eficácia acima de 90% podem ter outras maneiras de análise e, portanto, a CoronaVac não deve ser considerada inferior. “Na estratégia da vacina da gripe, ela varia de 40% a 60% de eficácia. A vacina da hepatite B chega de 90% a 100%. Mas como as duas funcionam? Nisso, a gente compensa na estratégia no programa de imunização”, explica.

 

Os dados iniciais apresentados pelo instituto Butantan apontavam 78% de eficácia contra casos leves da Covid-19, e de 100% contra casos moderados e graves. Este novo estudo, porém, inclui pessoas que ficaram assintomáticas após serem infectadas pelo novo coronavírus, e foram analisadas pelo estudo de fase 3. Ao todo, 13.600 pessoas participaram da pesquisa.

Por Bahia Notícias

COMENTÁRIOS